terça-feira, 21 de abril de 2009

passou


Hoje, minhas caminhadas são lentas e solitárias,
O plural foi deixado de lado,
Agora é tudo no singular.
Depois da tormenta me perguntei: -E agora?
Como serão os meus dias?
Cinza certamente! ...mas, mesmo na imagem gélida de uma solidão forçada eu ainda encontro forças.
Te vi materializada num sorriso infantil,
E sorri.
Vi tuas cores nas asas de uma borboleta que teimava em voar sobre minha cabeça.
Ouvi tua voz na melodia de uma canção triste,
E chorei.
De repente o tudo virou nada,
O claro ficou escuro,
O topo virou chão...
Tudo perdeu a essência.
... a aceitação e o conforto espiritual chegam com o tempo,
basta paciência e disciplina,
um dia tudo passa,
a dor
e o amor.

...versos de um pequeno grande amor...
Anne =]

4 comentários:

Carol e Carolina disse...

Não consigo me imaginar no singular...

Beijo

Fezzoka disse...

Hmmm

eu sempre me vejo no singular, mesmo quando me dói muito..

porque sei que o normal é voltarmos ao singular sempre..

podes me chamar de 'descrente'..
mas eu tenho sido beeem realista ultimamente.. e fico bem feliz em pensar que tudo passa..

C. disse...

A dor não passa, ameniza. O amor, sempre.

Muito bom (L)

Brysa L... disse...

Nossa! Fiquei muito tempo longe da net e olha o que eu encontrei...

Fiquei no singular, na madrugada de 20 pra 21 de abril... =/

Não pare de escrever não, gosto muito dos seus posts.
Boa semana pra ti.